O Ceagro compreende que o trabalho com a Juventude é fundamental na sua estratégica de atuação, transversalmente relacionada aos processos produtivos e organizativos, assim como a formação política e capacitação com os coletivos de jovens, por isso, em 2011 constituiu a Juventude como uma frente de trabalho, organizando diversas ações e processos de formação, para além de cursos formais. A incorporação deste enfoque de trabalho com a juventude, se deu a partir dos acúmulos dos movimentos sociais, principalmente do MST, sobre a necessidade de se criar ações específicas que contribuam no fortalecimento da capacidade organizativa da juventude das áreas de reforma agrária e comunidades de pequenos agricultores, de maneira a lhes dar instrumentos para que conquistem sua autonomia organizativa, financeira, a incidência e acesso aos direitos e visibilidade política. Nesse sentido, as ações desenvolvidas pelos projetos do Ceagro buscaram promover e apoiar a organização e capacitação dos coletivos de juventude.

O Ceagro também contribuiu na construção do Coletivo Regional de Juventude, que vem trabalhando na organização, formação e geração de renda dos grupos de jovens. Esse processo se intensificou a partir do ano de 2011, ampliando a articulação e organização dos jovens na região, com o acompanhamento aos grupos, reuniões, oficinas teórico-práticas, seminários, cursos de formação como a Escola Regional da Juventude (aqui) (já com 4 turmas concluídas e 1 em andamento) e assistência técnica. O Coletivo Regional de Juventude se organiza desde o ano de 2012, com a participação de jovens residentes nas áreas de acampamentos e assentamentos da reforma agrária, dos municípios paranaenses de Rio Bonito do Iguaçu, Quedas do Iguaçu e Laranjeiras do Sul.

Os jovens vinculados à Frente de Juventude do Ceagro e ao Coletivo Regional, possuem sua própria forma de organização coletiva para discutirem questões específicas que atingem e oprimem a juventude que vive no campo e que luta pelo direito à terra e por condições dignas de vida. As ações giram em torno do acesso à educação e formação humana, trabalho e renda, agroecologia, arte, cultura e comunicação. A partir dessas temáticas são realizados cursos, oficinas, reuniões, manifestações, criação de espaços produtivos agroecológicos, intervenções de agitação e propaganda, etc. Buscando incentivar a participação coletiva e o protagonismo da juventude na valorização de sua cultura e defesa contra a violência do agronegócio. O trabalho que ocorre a partir desses espaços permite que os jovens atuem como sujeitos multiplicadores, nos coletivos locais de juventude, nas comunidades onde estão inseridos, a partir da auto-organização e da participação efetiva nos distintos espaços organizativos, de luta, de produção.

 

Mais informações:
E-mail: juventude@ceagro.org